SFH e SFI

Como funciona o financiamento imobiliário, SFH e SFI

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

O SFH e o SFI são facilitadores na hora de investir em imóveis, o que é sempre uma alternativa segura de preservar dinheiro. Entretanto, é preciso saber quais são as diferenças entre estas opções de financiamento imobiliário para entender qual é a mais apropriada na hora de adquirir seu novo imóvel.

Além disso, é muito importante contar com a assessoria certa na hora de escolher seu próximo imóvel. A Coelho da Fonseca atua há mais de 40 anos no mercado imobiliário de luxo, garantindo aos seus clientes atendimento personalizado e muita segurança durante todo o processo de compra.

 

SFH e SFI

A compra de um imóvel passa por diversas etapas que vão além da simples escolha de uma casa, apartamento ou cobertura. Definir quais tipos de pagamentos e financiamentos é uma dessas etapas primordiais.

Os financiamentos foram criados para facilitar na hora de adquirir seu imóvel, e apesar de existirem diversas siglas, não é muito difícil entender o que cada uma significa.

O SFH e SFI são algumas das opções disponíveis para financiar um imóvel. A diferença entre o SFH e SFI é que o segundo modelo não está subordinado a algumas limitações, como as taxas de juros e o valor do imóvel, podendo variar de acordo com a autonomia e a política de crédito da instituição financeira consultada.

SFH é a sigla para Sistema Financeiro de Habitação, enquanto SFI é a sigla para Sistema de Financiamento Imobiliário. Os sistemas foram criados em anos diferentes e, apesar de terem como mesmo propósito facilitar a aquisição de um imóvel, cada um possui regras distintas.

O SFH surgiu em 1960 com o intuito de suprir o déficit habitacional brasileiro, e através deste sistema foi viabilizado mais crédito imobiliário, permitindo que classes de menor renda tenham sua casa própria. Hoje esse sistema atende diversas faixas de renda, devido aos valores dos imóveis, oferecendo juros menores e mais facilidade para negociações no mercado imobiliário.

O sistema SFI surgiu em 1997 para suprir a demanda de crédito habitacional que não foi atendida pelo SFH. O modelo instituiu um novo título de crédito, o CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) e a alienação fiduciária de imóveis, fundamental para a garantia das operações de financiamento imobiliário.

A principal diferença é que o SFI não possui condições preestabelecidas pelo Governo Federal ou teto máximo para o valor do imóveis, com critérios que variam em cada instituição financeira.

O SFI é ideal para quem busca financiar imóveis acima de R$ 1,5 milhão, valor máximo imposto no SFH. Para quem busca investir no mercado de luxo, o SFI é a alternativa correta na hora de buscar financiamento junto a uma instituição financeira.

 

SFH serve para quais tipos de imóveis?

O SFH tem como principal vantagem o limite de juros de financiamento, regulado em 12% ao ano + TR (taxa referencial), além da possibilidade do uso de recursos como o FGTS na hora de financiar seu imóvel.

Entretanto, por ser um financiamento criado como incentivo pelo governo para suprir o déficit habitacional, os valores dos imóveis devem chegar a, no máximo, R$ 1,5 milhão, e as parcelas do financiamento não podem passar de 30% da renda familiar. Além disso, o valor financiado deve ser, no máximo, de 80% do valor do imóvel.

O pagamento pode ser feito em até 35 anos, e por ser voltado para a compra do primeiro imóvel, o SFH destina-se exclusivamente para moradias, seja de um imóvel já construído, um imóvel novo e reforma de um imóvel construído ou inacabado. 

Independente do estado do imóvel, é importante ressaltar que este não poderá ser usado para outro fim que não seja residencial, impossibilitando inclusive que o imóvel seja alugado ou funcione como estabelecimento comercial.

Devido ao valor máximo dos imóveis entre o SFH e SFI, o primeiro não é o mais indicado para quem busca investir em um imóvel de luxo, uma vez que estes imóveis facilmente passam do teto estabelecido pelo sistema.

 

SFI para imóveis de luxo

O SFI engloba todos os financiamentos que não estão no SFH, ou seja, qualquer imóvel residencial, comercial, em zona rural, com valor maior do que o permitido etc. Essa é a principal diferença com o outro sistema.

O SFI atende principalmente aos interessados em imóveis de luxo e aos investidores do mercado imobiliário, por ser mais flexível e ampliar as possibilidades de imóveis a serem adquiridos.

Para adquirir seu imóvel pelo SFI é necessário que você preencha os seguintes requisitos:

 

  • ser brasileiro, naturalizado ou com visto permanente no país;
  • não ter restrições em cadastros como a Receita Federal, SPC e Serasa;
  • ter mais de 18 anos ou comprovante de emancipação.

 

Para os que decidem investir em um imóvel com o SFI, é preciso ressaltar que não é possível utilizar o FGTS. Entretanto, o sistema possibilita que até 100% do imóvel seja financiado.

A possibilidade de financiamento total do imóvel, os prazos e os juros praticados são de livre negociação entre os clientes e os bancos, possibilitando maior autonomia na hora de escolher com qual instituição financeira fechar contrato.

O SFH e SFI são sistemas que oferecem uma enorme gama de possibilidades para quem busca adquirir seu próximo imóvel, com requisitos simples que garantem facilidade na hora de investir no mercado imobiliário.

Você também pode gostar de ler